Quanto tempo se deve permanecer em uma mesma empresa?

Existe o “tempo certo” para permanecer e a “hora certa” para mudar de emprego?
Exis­te o “tem­po cer­to” para per­ma­ne­cer e a “hora certa”´para mudar de empre­go?

Eu já ouvi essa per­gun­ta mui­tas vezes. Hoje em dia, não são pou­cas as pes­so­as que se pre­o­cu­pam com o “tem­po cer­to” de per­ma­ne­cer, e a “hora cer­ta” de mudar. É com­pre­en­sí­vel. Até a gera­ção ante­ri­or aos baby boo­mers, era valo­ri­za­do o pro­fis­si­o­nal que tinha “mui­tos anos de casa” e mal vis­to aque­le que muda­va mui­to de empre­go. Aos pou­cos foi-se ven­do que essa regra não fazia tan­to sen­ti­do, prin­ci­pal­men­te dian­te do dina­mis­mo cres­cen­te envol­ven­do os negó­ci­os e as soci­e­da­des.

Ques­ti­o­nar regras cri­a­das no pas­sa­do é impor­tan­te e neces­sá­rio. Sem isso o mun­do não evo­lui­ria. O pro­ble­ma é que, mui­tas vezes, isso é fei­to de for­ma não equi­li­bra­da: cria-se um para­dig­ma de que aque­la abor­da­gem é ruim e não deve ser apli­ca­da nun­ca mais, e pas­sa-se então a pre­gar o outro extre­mo.

Vejo isso ocor­rer com mui­tas ques­tões no mun­do cor­po­ra­ti­vo, inclu­si­ve nas pre­o­cu­pa­ções sobre o tem­po de empre­sa ide­al. Já vi gen­te dizer coi­sas como: “não gos­to de ficar em uma mes­ma empre­sa por mais de dois anos”, ou “já estou aqui há seis anos, será que isso não vai depor con­tra mim em um futu­ro pro­ces­so sele­ti­vo?”.

Eu, par­ti­cu­lar­men­te, acho que o tem­po que se deve per­ma­ne­cer em uma empre­sa deve ser influ­en­ci­a­do por mui­tas variá­veis, onde a regra de “não ficar mui­to tem­po” é uma das últi­mas, se é que deve ser con­si­de­ra­da.

Uma vez eu entrei em uma empre­sa achan­do que fica­ria lá por pou­co tem­po, e aca­bei fican­do por oito anos. Esse tem­po é rela­ti­va­men­te lon­go para os padrões atu­ais, mas quan­do eu olho para o que fiz no perío­do, vejo que ficar ali diz mui­ta coi­sa boa sobre a pro­fis­si­o­nal que sou, para qual­quer recru­ta­dor que atue com visão crí­ti­ca e inte­li­gên­cia. Nes­ses anos, eu lide­rei equi­pes vari­a­das, pas­sei por mudan­ças radi­cais, assu­mi papéis inu­si­ta­dos e enfren­tei desa­fi­os que nun­ca ima­gi­na­ria antes. Fiquei lá, por oito anos, como uma esco­lha mui­to cons­ci­en­te, por saber que esta­va em uma esco­la que mudou meu pata­mar de seni­o­ri­da­de na lide­ran­ça.

Se ao invés de per­ce­ber isso algu­ma empre­sa recru­ta­do­ra se dei­xas­se influ­en­ci­ar por modis­mos mal fun­da­men­ta­dos como “deve-se ficar no máxi­mo 2 anos em uma mes­ma empre­sa”, então seria uma gran­de sor­te para mim não con­se­guir esse empre­go, pois essa men­ta­li­da­de pode ser um gran­de limi­ta­dor para se con­tra­tar talen­tos.

Obvi­a­men­te, não estou dizen­do que se deva ficar em uma mes­ma empre­sa a vida intei­ra. Deve­mos sem­pre evi­tar essas inter­pre­ta­ções extre­mis­tas. É cla­ro que ter atu­a­do em vári­as empre­sas traz o ganho de ter tra­ba­lha­do com cul­tu­ras, con­tex­tos e/ou negó­ci­os diver­sos. Porém, o que que­ro dizer, é que qual­quer regra sim­plis­ta é, de cer­ta for­ma, levi­a­na.

A res­pos­ta mais sen­sa­ta para a per­gun­ta “quan­to tem­po se deve ficar em uma empre­sa” me pare­ce ser:

Depen­de, e depen­de de mui­tas coi­sas.

De como é essa empre­sa. Do quan­to você se rea­li­za estan­do ali. De quan­ta opor­tu­ni­da­de tem de se desen­vol­ver, de se tor­nar um pro­fis­si­o­nal melhor. De quan­tos desa­fi­os lhe são ofe­re­ci­dos. De como é a cul­tu­ra em que está inse­ri­do. De como são as pes­so­as com quem tra­ba­lha. De como con­se­gue con­ci­li­ar esse tra­ba­lho com vida pes­so­al. E de vári­as outras coi­sas.

Quan­do alguém me per­gun­ta quan­to tem­po se deve ficar em uma empre­sa, minha res­pos­ta não cos­tu­ma ser ime­di­a­ta. Pri­mei­ro, ten­to enten­der o con­tex­to da pes­soa na empre­sa (son­dan­do mui­tas das variá­veis aci­ma), e dou os meus pal­pi­tes quan­to a se ela deve­ria apro­vei­tar bem seu tem­po ali, ou come­çar a se mexer para mudar. E a res­pos­ta sem­pre varia de acor­do com o que a pes­soa está viven­ci­an­do ou ain­da tem a pers­pec­ti­va de viven­ci­ar. O que pos­so dizer, com cer­te­za, é que minha res­pos­ta nun­ca é “dois anos”, “três anos”, ou algo pare­ci­do.

Cada vez mais, prin­ci­pal­men­te em tem­pos de res­pos­tas rápi­das de Goo­gle, cor­re-se o ris­co de per­der a visão crí­ti­ca. E é ilu­só­rio pen­sar que isso só ocor­re com os jovens mil­len­ni­als que estão em iní­cio de car­rei­ra. Líde­res em todos os níveis (inclu­si­ve C-Level) estão fre­quen­te­men­te ade­rin­do a “man­tras”, apli­can­do con­cei­tos de for­ma auto­má­ti­ca e fazen­do ava­li­a­ções super­fi­ci­ais. Isso pode pare­cer um deta­lhe, mas pode ser desas­tro­so para o negó­cio, uma vez que leva a deci­sões levi­a­nas.

Um bom cami­nho para se pra­ti­car a visão crí­ti­ca é ava­li­ar o con­tex­to antes de se defi­nir uma “res­pos­ta padrão”. Isso vale para a ques­tão do tem­po de empre­sa, assim como para mui­tas outras que têm sido dis­cu­ti­das por aí.

Por Rac­kel Vala­da­res.

Quer falar mais sobre isso? Man­de uma men­sa­gem e sai­ba mais sobre o tra­ba­lho da RV.